Dia de Nossa Senhora das Graças

A história de Nossa Senhora das Graças começa, na verdade, fora do tempo, quando Deus planejou a encarnação de seu Filho Jesus, no seio da humanidade. Nesse momento, Ele também pensou em Maria, pois, seu Filho teria que ter uma mãe humana. E a mãe do Salvador é designada “cheia de graça”. Por isso, quando o Anjo Gabriel apareceu para anunciar que Maria seria a Mãe de Jesus, declarou que ela era “cheia de graça”. (Lucas 1, 28)

Ela foi a portadora da maior de todas as graças que a humanidade poderia receber: o próprio Filho de Deus. Gerando Jesus para o mundo, Maria proporcionou que todas a graças chegassem até nós.

Maria sempre foi vista como “portadora das graças”, porém, o título “Nossa Senhora das Graças” surgiu no dia 27 de novembro de 1830, quando Catarina Labouré, foi até à capela impelida para rezar. Estando em oração, teve uma visão da Virgem Maria, que se revelou a ela como Nossa Senhora das Graças.

A primeira aparição de Nossa Senhora das Graças se deu através de Santa Catarina, trazendo um sinal do céu: uma medalha com o seu retrato, que foi chamada de milagrosa após ajudar cristãos a alcançarem as graças pedidas. Já na segunda aparição ela pede que as medalhas sejam usadas ao pescoço para que abundantes graças fossem realizadas por todo o mundo.

A medalha milagrosa

A serpente: Maria aparece esmagando a cabeça da serpente. A mulher que esmaga a cabeça da serpente, que é o demônio, já estava predita na Bíblia, no livro do Gênesis: “Porei inimizade entre ti e a mulher… Ela te esmagará a cabeça e tu procurarás, em vão, morder-lhe o calcanhar”.

É em Maria que se cumpre essa sentença de Deus: a mulher finalmente esmaga a cabeça da serpente, para que não mais a morte pudesse escravizar os homens.

Os raios: Simbolizam as graças que Nossa Senhora derrama sobre os seus devotos. A Santa Igreja, por isso, a chama de Tesoureira de Deus.

As 12 estrelas: Simbolizam as 12 tribos de Israel. Maria Santíssima também é saudada como “Estrela do Mar” na oração Ave, Stella Maris.

O coração cercado de espinhos: É o Sagrado Coração de Jesus. Foi Maria quem o formou em seu ventre. Nosso Senhor prometeu a Santa Margarida Maria Alacoque a graça da vida eterna aos devotos do seu Sagrado Coração, que simboliza o seu infinito e ilimitado Amor. O coração transpassado por uma espada: É o Imaculado Coração de Maria, inseparável ao de Jesus: mesmo nas horas difíceis de Sua Paixão e Morte na Cruz, Ela estava lá, compartilhando da Sua dor, sendo a nossa corredentora.

O M: Significa Maria. Esse M sustenta o travessão e a Cruz, que representam o calvário. Essa simbologia indica a íntima ligação de Maria e Jesus na história da salvação.

O travessão e a Cruz: Simbolizam o calvário. Para a doutrina católica, a Santa Missa é a perpetuação do sacrifício do Calvário, portanto, ressaltam a importância do Sacrifício Eucarístico na vida do cristão.

Nossa Senhora das Graças, rogai por nós!

 

 

 

 

 

 

 

compartilhar

Posts Recomendados

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *